domingo, 24 de junho de 2007

Perguntas e Respostas

OBS: Os nomes das pessoas serão mudados por questão de privacidade


Pergunta: Alexandra gostaria muito que vc me orientasse, pois tenho dúvidas a respeito do grande carinho que dou ao meu filho de 8 anos. Muitas vezes me acho exagerada de mais eu reconheço isto!

O carinho que tenho com meu filho é muito de tocar,eu aperto a bundinha, pego no bingulinho,dou muito bjo na boca dele, enfim... reconheço que isto pode despertar nele algo que não seja pra idade dele, não é verdade ?´ Já faz algum tempo que estudo as escrituras e tenho um pouco do conhecimento do que agrada e do que não agrada ao Pai que está no céu, mas se eu estiver sendo excessiva no meu comportamento por favor me oriente Alexandra.
Espero com carinho sua resposta
'' O coração do sábio instrui a sua boca, e acrescenta doutrina aos seus lábios. (Prov.16:23)
Grande bjo, Adriana.

Resposta: Cara Adriana olá!
Carinho nunca é demais, fico feliz em saber que você é uma mãe carinhosa! As vezes acho que elas estão ficando cada vez mais escassas. O que você deve observar é a forma e os tipos de carícias entre você e seu filho. Por exemplo, beijar na boca em nossa cultura é um tipo de carinho para casais e não para mãe e filho, você pode estar confundindo sua criança sobre o seu relacionamento com ela. Quanto a apertar a "bundinha e pegar no bingulinho" dele como você diz, também acho que são carícias para casais casados, pênis é um local mais ligado à área sexual do ser humano, e usado para a relação sexual. Não quero dizer com isso que você não possa tocar neles, mas concordo com você quando diz que isto pode despertar nele algo que não seja para a idade dele.

Reflita também sobre: porque você esta acariciando exatamente estas partes do corpo dele e não outra?

Por isso, continue sendo uma mãe carinhosa, mas beije no rosto, abrace-o, coloque-o em seu colo, que são formas de carinho mais maternas. Não corra o risco de confundir a cabecinha de seu filhinho.
Segue em anexo uma indicação do meu livro para você.

Com carinho, Alexandra.

Postar um comentário

Pesquisa Google

Google