sexta-feira, 29 de agosto de 2014

II Fórum Municipal do Ensino Fundamental - SEMED. Mais uma missão cumprida!

A tirinha abaixo aproxima-se ou distancia-se das propostas pedagógicas para a sociedade do conhecimento? R: _______________________
Descreva como esta situação pode ser invertida:



Confira no site da Prefeitura de Guarapari:




domingo, 24 de agosto de 2014

Seminário de "Alexandra Guerra" no Treinamento para Líderes realizado pelo Universo Teológico, em Vitória, ES.



Na sua oficina "Ensino Eficaz para Transformar Vidas!" Alexandra Guerra levou os participantes a aprender fazendo, interagindo, para vivenciarem o ensino. 
Realizado por: http://www.universoteologico.com.br/
Fotos por: Rodolfo Bahiana. 


















Se antigamente uma boa aula era sinônimo de silêncio absoluto na classe, onde só o professor podia falar e se locomover, hoje entendemos que boa é   aula que possibilita a interação do aluno , levando-o a  participar, se envolver e  vivenciar o ensino. Aquilo que fazemos e/ou provamos é absorvido com muito mais facilidade do que aquilo que vemos e  ouvimos. No entanto, para que  os métodos e recursos de ensino sejam realmente envolventes, para que todo o esforço do professor tenha efeito, para que o ensino seja eficaz para transformar vidas é preciso ter autoridade para ensinar, é imprescindível viver aquilo que se ensina!

domingo, 17 de agosto de 2014

Uma lembrança estimulante da fragilidade da vida, que é feita de momentos... (Alexandra Guerra).


terça-feira, 12 de agosto de 2014

"Alexandra Guerra" ficará por conta do tema: Pensando as práticas pedagógicas na perspectivas da sociedade do conhecimento

 II Fórum Municipal do Ensino Fundamental I. 
Realizado pela SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO de Guarapari /ES.
Tema geral: Perspectivas pedagógicas na sociedade do conhecimento: Pressupostos e desafios.
Dia 25 de agosto. Na Faculdade Pitágoras. 

Infromações:  http://www.guarapari.es.gov.br/v3/index.php/noticias-semed/2101-ii-forum-do-ensino-fundamental-i-4o-e-5o-anos.html

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Cinco dicas para ser mais presente na vida dos filhos.

 In: educarparacrescer.abril.com.br




sábado, 2 de agosto de 2014

Reflexão, não só para o DIA DOS PAIS!

Pai, quem pode suprir sua falta?

Uma adolescente, de uma escola que trabalhei, teve que ser levada as pressas para o hospital passando mal, pois havia tomado vários comprimidos, de uma só vez. A boca desta jovem tremia. Seus braços frios estavam cruzados. Havia lágrimas em seu rosto. Depois suas colegas de sala disseram que ela queria chamar a atenção dos pais, pois estavam tendo problemas em casa e seu pai não acreditava nela. Perguntei se já conversaram - pai e filha - ela respondeu que não adianta, pois não tem diálogo com o seu pai. Aquele ato inconsequente e desesperado me pareceu uma tentativa de provar aos seus pais que sua existência valia a pena.
É comum ver filhos que cresceram sem o pai, um dia resolverem procurá-lo. Outro dia mesmo uma mãe me contou que seu filho adolescente quis ir atrás do pai. O coração dela, naquele momento, estava escorregadio e trêmulo. Mesmo tendo um padrasto e sabendo que o pai biológico não se importava com ele, lá se foi o garoto atrás do fulano que o gerou. Encontrou-se com ele e ficou mais frustrado e decepcionado ao ter de lidar com o descaso do tal "pai". Soltou-lhe um último adeus encharcado, fez meia volta e saiu. Não consigo lhe explicar a intensidade da decepção deste rapaz. São encontros dolorosos, muitas vezes traumáticos, mas às vezes necessários.
Todos nós conhecemos pessoas que foram criadas sem o pai. A maneira de expressar a dor é diferente, mas o sofrimento é o mesmo de sempre: a dor de não ter um pai presente. Já vi crianças pequenas chorando ao verem seu pai, que há muito tempo não viam. Jovens revoltados, adultos procurando uma maneira de lidar com esta ausência.  E se você não consegue imaginar como é a dor desta falta, pense em um vazio escuro. Pense em cacos de desespero. Pense em cortinas de chuva fechadas ao seu redor.
Pai não machuque com sua ausência!  Ninguém pode suprir sua falta. A mãe não supre a falta do pai na vida do filho, por mais esforços que essa possa fazer.
"_Eu criei meu filho sozinha, fui mãe e pai dele." Já ouvimos isso várias vezes. Mas será que isso é possível? Fiquei impactada com o que uma amiga me disse a respeito disso. Sendo ela mãe de dois rapazes, desabafou que o papel do pai fica vazio no lar, pois não há como substituí-lo, seja com tios, avôs ou mesmo uma mãe dedicada que tenta se desdobrar. O que esta sábia mãe faz então, é deixar que seu filho conviva com outras famílias onde o pai é presente, para que assim o rapaz tenha modelos e referências de um pai.
Todo ser humano precisa de um pai e uma mãe. É muito grave quando nos acomodamos com uma situação ao ponto de aceitarmos ela como algo normal socialmente. Não quero dizer com isso que os filhos devem sofrer com esta questão, a pesar de que, esse sofrimento é inevitável. Mas é necessário que fique bem claro que o lugar de um pai ausente fica vazio na vida da pessoa. É preciso aceitar que existe o vazio, a dor, a falta, para então ser aliviado e curado. Um vazio preenchido com O amor  se torna em contentamento. Somente O amor pode ser o que precisamos - a droga não pode, nem o álcool nem o trabalho excessivo, ou seja, lá o que for que estivermos tentando usar para calar esse eco.
Não permita que seus filhos se desfaçam em pedaços bem na sua frente. Segure essas palavras feito nuvens e as torça feito chuva, para que tragam irrigação e vida à sua família. Vire esta página da sua vida em direção ao amanhecer irradiando luz. Preencha a vida dos filhos com a profundidade do amor e proteção que somente um pai pode oferecer, pois foi planejado pelo criador para isso. Por isso, pai, assuma seu papel, pois, ninguém pode suprir sua falta.

Alexandra Guerra.
alexaguerra.blogspot.com


Pesquisa Google

Google