sábado, 18 de fevereiro de 2017

Liberar geral é desastroso! Proibir é passageiro. Educar é permanente.

        TV e jogos: Liberar, proibir ou educar?

A tentação é grande. Deixar as crianças jogando, assistindo filmes ou TV por horas ou até altas horas.  Certo ou errado não importa, elas ficam quietas ali de frente da telinha e nos dão o sossego que tanto queríamos... Só que as conseqüências também são grandes, proporcionais ao tempo e ao conteúdo do que se vê. Crianças violentas, com sexualidade aflorada muito cedo, sexo banalizado, valores deturpados, pouca criatividade, são alguns dos frutos amargos que temos colhido nesta geração. Assistir ou jogar qualquer coisa, sem critérios, está contribuindo na formação de pessoas sem competências para atuar em um milênio marcado pela valorização do questionamento e rapidez em identificar e resolver demandas e problemas. Não queremos isto para nossas crianças, claro! Então o que fazer?
Já sei que não cometeremos a doidice de cortar TV e jogos de nossos filhos definitivamente. A não ser por um tempo determinado, para discipliná-los, o que funciona muito bem por sinal! Então, o que fazer? Aí vão algumas dicas:
*Leia e siga a indicação do fabricante quanto a faixa etária recomendada.
*Leia pelo menos a sinopse para ver o conteúdo e a trama principal do jogo ou filme. Isso já ajuda bem.
*Assista ou jogue uma vez com sua criança e ensine-a a analisar o que ela vê. Isto dá mais trabalho, claro! Por isso, que ensinar é mais difícil que proibir ou liberar geral. Mas se você investir em educar, chegará o tempo que colherá bons frutos e com o merecido descanso.
Liberar geral é desastroso! Proibir é passageiro. Educar é permanente.

Resultado de imagem para tv e jogos educar


quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

♡ *_Uma campanha contra a inversão de valores e a favor de um mundo melhor!!!_* ♡

💥 Atenção senhores pais e mães‼ 
Está se aproximando o início do ano letivo e é sempre bom lembrar que é em casa que as crianças devem aprender:

✅01- Bom dia
✅02- Boa Tarde
✅03- Por favor
✅04- Com licença
✅05- Desculpe
✅06- Muito obrigado

♦E em casa que também se aprende:

✅01- A ser honesto
✅02- Ser pontual
✅03- Não xingar
✅04- Ser solidário
✅05- Respeitar aos amigos
✅06- Respeitar aos mais velhos
✅ *07 -RESPEITAR OS PROFESSORES PRINCIPALMENTE!!*

♦Também em casa é que se aprende:

✅01- A não falar de boca cheia
✅02- A ser limpo
✅03- A não jogar lixo no chão

♦Ainda em casa é que se aprende:

✅01- A ser organizado
✅02- Cuidar das suas coisas
✅03- E não mexer nas coisas dos outros

♦ *PORQUE NA ESCOLA OS PROFESSORES ENSINAM:*

✔ MATEMÁTICA
✔ PORTUGUÊS
✔ HISTÓRIA
✔ GEOGRAFIA
✔ INGLÊS
✔ CIÊNCIAS
✔ EDUCAÇÃO FÍSICA
💥 *E REFORÇAM O QUE O ALUNO APRENDEU EM CASA!!!*

♡ *_Uma campanha contra a inversão de valores e a favor de um mundo melhor!!!_* ♡

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Criar filho é que nem jogar vídeo-game: a fase seguinte é sempre mais difícil...

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Sete inspirações para fazer de 2017 um ano melhor

O discurso de Malala Yousafzai ao receber o Nobel da Paz, em 2014. (Foto: Reprodução/YouTube)
O discurso de Malala Yousafzai ao receber o Nobel da Paz, em 2014. (Foto: Reprodução/YouTube)

"Parece que o ano de 2016 passou voando. Sinto-me cansada, mas agradecida. Foi 2016 que me trouxe a possibilidade maravilhosa de, a cada segunda-feira, conversar sobre alfabetização com vocês aqui no site de NOVA ESCOLA. Isso é realmente um presente especial. Como temos professores comprometidos com a Educação neste país, e como é bom trocar boas experiências!
Mas esse também foi um ano de muitos acontecimentos e transformações no nosso Brasil e no mundo. Infelizmente, alguns deles não foram nada positivos, inclusive para a Educação. Mas, como ser humano e educadora, nesse momento em que fazemos um balanço de tudo o que passou, sinto a necessidade de recompor minhas forças, aumentar minha capacidade de indignação diante do absurdo e, principalmente, manter viva a esperança de que tempos melhores virão.
Por isso, o que vem a seguir não é uma mera lista de passatempo para as férias. São presentes que quero oferecer – leituras, músicas e vídeos –, que me inspiraram e que, certamente, vão inspirar você. O meu desejo é que esses exemplos de vida, essas ideias motivadoras, ajudem a tomar novos rumos, sem pesos, sem tristezas e sem desilusões.
Que cada sugestão seja impulso e inspiração para um 2017 melhor para todos nós.

Para fazer a diferença na alfabetização
Já que esse é o nosso assunto predileto, vamos começar por ele. Mudar as nossas práticas exige um estudo aprofundado de fontes teóricas, mas também implica em conhecer boas experiências práticas. Como você sabe, fui uma das vencedoras do Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita (FVC), e ao longo desses 18 anos de premiação outros grandes alfabetizadores receberam o troféu. Que tal aproveitar as férias para conhecer melhor todos eles? No site do prêmio, você encontra vídeos e reportagens sobre todos os projetos de alfabetização e pode encontrar ideias para seus alunos no próximo ano.

Para acreditar que é possível construir uma escola melhor
documentário Quando Sinto Que Já Sei (78 minutos) mostra, por meio de vários depoimentos de estudantes, professores e gestores, que é possível e necessário romper com os paradigmas da escola tradicional e transformar a instituição em um lugar onde as crianças sejam protagonistas na construção do conhecimento e a aprendizagem tenha sentido para a vida. O filme, disponível no YouTube, retrata as experiências de escolas inovadoras, que modificaram totalmente as formas de trabalho, a organização dos currículos, a relação entre professor e aluno e até mesmo os espaços físicos, para oferecer uma Educação com mais amor, liberdade e respeito. Se você acha que estamos num beco sem saída, vale investir um tempo para assistir com atenção.
  
Para não esquecer que Educação é para todos
Dorina de Gouvêa Nowill: esse é o nome da grande mulher e primeira professora cega do Brasil, que lutou pelo direito dos deficientes visuais ao acesso à escola de qualidade em nosso país. A história de vida dessa educadora, que morreu aos 91 anos, é uma fonte de inspiração para quem anda desacreditado. A biografia de Dorina, em textos e fotos, está disponível no site da fundação que ela criou. Leia e compartilhe com seus colegas!
  
Para jamais aceitar o inaceitável
No dia 14 de dezembro, perdemos Dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo. Defensor dos direitos humanos, o cardeal enfrentou a ditadura, denunciou a tortura de peito aberto e sempre esteve ao lado dos mais pobres e oprimidos. A trajetória desse grande homem é muito bem retratada no livro O Cardeal da Resistência – As Muitas Vidas de Dom Paulo Evaristo Arns (Ricardo Carvalho, 312 págs., 49,90 reais), publicado pela Editora Instituto Vladimir Herzog, em 2013. É uma bela leitura para respirar fundo e criar coragem para enfrentar os desafios que a nossa sociedade, que anda tão intolerante, impõe dentro e fora da escola.

Para ser forte como a juventude
“Este prêmio não é só meu. É das crianças esquecidas que querem Educação. É das crianças assustadas que querem a paz. É das crianças sem direito à expressão que querem mudanças.” Essas foram algumas das palavras que a jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai pronunciou em seu discurso de agradecimento pelo Nobel da Paz, em 2014. A fala, histórica, foi um comovente apelo para que todo o mundo olhe para a situação de milhões de crianças que têm seu direito à Educação negado, seja pela violência, seja pelos diversos tipos de discriminação. É uma leitura obrigatória para quem educa.
O site da Companhia das Letras, que publicou no Brasil o grande sucesso Eu Sou Malala (Malala Yousafzai e Cristina Lambi, 360 págs., 22,90 reais) – que você também precisa ler! – , disponibiliza o discurso completo, traduzido para o português.Também é possível assistir o pronunciamento em inglês.
  
Para divertir e inspirar a prática
Não há nada melhor do que rir e aprender com a aula-espetáculo de Ariano Suassuna, um dos maiores mestres, defensores e propagadores da cultura brasileira. Talvez você não saiba, mas esse grande escritor era também professor e viajava pelo país dando essas conferências, que ele chamava mesmo de aulas – e que aulas!
  
Para ouvir e se emocionar
Há sempre músicas que marcam os momentos mais intensos da nossa vida. É como se, ao ouvi-las, a gente sentisse o sangue correr e o som tocar o coração. Eu adoro música! Poderia dar muitas sugestões, mas escolhi essas três opções, que refletem um pouquinho da cultura brasileira e podem fazer parte da trilha sonora de 2017.
Mourão, de César Guerra-Peixe, um dos maiores compositores brasileiros de música erudita 
Reisado do Pastoreio – Batuque - Dança de Negros, de Oscar Lorenzo Fernández, outro grande músico e fundador do Conservatório Brasileiro de Música
Benkeparte do álbum Txai, o 26º de Milton Nascimento.
  
Espero que goste das sugestões e que elas possam nos inspirar e nos preparar de verdade para um ano novo mais produtivo e feliz, e que possamos fazer a diferença em nossas escolas.
E, antes de me despedir, quero aproveitar e agradecer. Muito obrigada, NOVA ESCOLA, por me proporcionar essa parceria com educadores do Brasil inteiro, neste blog que é de todos nós!
Um bom Natal, um bom Ano Novo e ótimas férias a todos. No dia 9 de janeiro, estaremos de volta!
Um grande abraço, Mara Mansani"


sábado, 17 de dezembro de 2016

Fruto do nosso trabalho feito com paixão! Meu coração está cheio de gratidão!

Publicado em: http://www.guarapari.es.gov.br/portal/index.php/semed/item/1513-prefeitura-promove-formacao-a-mais-de-1-000-servidores-da-educacao-municipal

“A Educação Pública que queremos construímos com paixão e com nossas mãos dadas” foi o tema central dos cursos oferecidos pela SEMED  em 2016. Diversas turmas estão concluindo suas formações, garantindo aos   Servidores da Educação seu direito, conquistado e previsto em lei, para que o profissional da educação amplie seu desenvolvimento profissional.
Foram ofertados temas para atender as diversas modalidades de ensino e funções nas escolas; tendo o cuidado de atender aos profissionais da educação em seus mais diversas cargos e funções. Dentre eles, cursos para: docentes no geral, coordenadores, pedagogos, diretores, professores alfabetizadores, educação inclusiva, escola em tempo integral, educação infantil, educadores do campo, tecnologias, além de serem divulgados vários cursos na modalidade à distância oferecidos por instituições idôneas.
Passaram pelas formações mais de 1.007 servidores, sem contar os seminários e fóruns.
“Nós somos parte de uma mudança maior. E para fazer diferença é preciso ter paixão. A nossa é a Educação. Sabemos que não somos perfeitos e enfrentamos grandes desafios ao nosso redor. Portanto, nos esforçamos para fazer a nossa parte em cuidar com esmero do trabalho que foi confiado a cada um de nós, nesta rede de transformação pessoal e social que é a educação; e que só é possível construir com paixão e com nossas mãos dadas.” Nos convida Alexandra Guerra, coordenadora do setor de Formação Continuada juntamente com Arlene Bigossi.
Prefeitura promove formação a mais de 1.000 servidores da Educação Municipal

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Festas Escolares e Aprendizagem - Força para lutar e fé para vencer, que um dia vamos conseguir ensinar brincando.

Festas Escolares e Aprendizagem.

Num mundo repleto de distrações ter foco é essencial para se alcançar resultados. Ser consciente do que se quer e ajustar suas energias para alcançar suas metas potencializa e muito o sucesso! O que tenho visto nas escolas a respeito de festas e comemorações é um grande esforço por parte de toda a equipe sendo canalizado para: enfeites, ensaios, comes e bebes e tal... Afastando os educadores dos principais objetivos de aprendizagem. Claro que o ideal seria ensinar festejando, de forma lúdica e multidisciplinar. Isso sim, seria eficaz e uma gostosura! Mas sejamos sinceros, isto não tem acontecido, pelo menos, ainda... E todos sabemos como está urgente ensinar o básico aos nossos alunos: domínio da leitura e escrita de forma crítica e articulada. Precisamos repensar as comemorações e festas escolares, urgente, se queremos um ensino básico de qualidade. Por exemplo, pode-se diminuir o número de eventos nas escolas para assim canalizar melhor os recursos humanos e físicos, que já são insuficientes! E também gerar formas de envolver mais os alunos e suas famílias em todo o processo de estudo e preparação dos eventos, pois o brilho nos olhos dos pais e familiares na hora das apresentações já é garantido. Outro cuidado importante é zelar para que as comemorações respeitem a liberdade religiosa e ideológica de toda comunidade escolar. Por agora, temos que ter foco no que é urgente, pois o tempo não pára! Força para lutar e fé para vencer, que um dia vamos conseguir ensinar brincando.


terça-feira, 25 de outubro de 2016

A Educação que queremos construímos com paixão e com nossas mãos dadas.

Dizem que diante das crises ou do poder é que conhecemos realmente as pessoas. Bem, nosso país está em crise política e social e nós temos um certo poder em nossas mãos na área da educação. Pouco? Sim! Mas nos foi concedido! Desta forma, torna-se ainda mais importante termos o discernimento e a sensibilidade em interpretar e filtrar as “informações” que chegam até nós, e cuidar para que não minem nossas esperanças e forças! Precisamos mais que nunca acreditar e agir em prol de uma educação cada vez melhor, que é o que nos move. O que será do filho se seus pais desistirem dele? O que serão dos alunos se a professora desanimar e não se dedicar com o seu melhor? O que será das escolas se os diretores e pedagogos perderem a confiança, a ética e a garra? O que serão de nossas famílias, nossos alunos, nossos professores, nossas escolas, da educação de nosso município; se nossos dirigentes perderem a fé, a confiança e a eficiência?! Não seria o caos? Então seja forte e corajoso! Nós somos parte de uma mudança maior. E para fazer diferença é preciso ter paixão. A nossa é a Educação. Sabemos que não somos perfeitos e enfrentamos grandes desafios ao nosso redor. Portanto, nos esforçamos para fazer a nossa parte em cuidar com esmero do trabalho que foi confiado a cada um de nós, nesta rede de transformação pessoal e social que é a educação; e que só é possível construir com paixão e com nossas mãos dadas.
Que bom que estamos juntos e de mãos dadas neste tempo e espaço.

Com carinho, fé e esperança, Alexandra Guerra.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Rejeição de pai dói mais que de mãe, diz pesquisa

MESMAS ÁREAS DO CÉREBRO QUE SÃO ATIVADAS QUANDO SENTIMOS DOR FÍSICA TAMBÉM MOSTRAM MAIS ATIVIDADE QUANDO AS CRIANÇAS SE SENTEM REJEITADAS
Segundo o estudo, ser amado ou rejeitado pelos pais afeta a personalidade e o desenvolvimento das crianças até a fase adulta. As crianças rejeitadas sentem como se tivessem sido socadas no estômago a todo momento. Isto de acordo com pesquisas nos campos da psicologia e neurociência, que revelam que as mesmas partes do cérebro ativadas quando as pessoas se sentem rejeitadas são ativadas quando sentimos dor física.
Os pesquisadores afirmam que as crianças rejeitadas sentem mais ansiedade e insegurança, e são mais propensas a serem hostis e agressivas. E, pior, sentem mais dificuldade em formar relações seguras e de confiança com outras pessoas, pois têm medo de passar pela mesma situação novamente.
E agora, a parte mais inovadora do estudo, que vai deixar as pessoas e seus comentários de boca torta e de queixo caído: o novo estudo sugere que a figura paterna na infância pode ser mais importante para a criança do que a materna! Isso porque as crianças geralmente sentem mais a rejeição se ela vier do pai. Para os pesquisadores, uma explicação pertinente é que o papel masculino ainda é supervalorizado e pode vir  acompanhado de mais prestígio e poder. Por causa disso, pode ser que uma rejeição por parte do pai tenha um impacto maior na vida da criança. Bingo! Sem desculpas para colocar a culpa na mãe – e mais exigências ao pai de participar da vida dos filhos!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Sou feita de retalhos.


“Sou feita de retalhos. Pedacinhos coloridos de cada vida que passa pela minha e que vou costurando na alma. Nem sempre bonitos, nem sempre felizes, mas me acrescentam e me fazem ser quem eu sou.


Em cada encontro, em cada contato, vou ficando maior…. Em cada retalho, uma vida, uma lição, um carinho, uma saudade…que me tornam mais pessoa, mais humana, mais completa.
E penso que é assim mesmo que a vida se faz de pedaços de outras gentes que vão se tomando parte da gente também. E a melhor parte é que nunca estaremos prontos, finalizados…haverá sempre um retalho novo para adicionar à alma. Portanto, obrigada a cada um de vocês, que fazem parte da minha vida e que me permitem engrandecer minha história com os retalhos deixados em mim. Que eu também possa deixar pedacinhos de mim pelos caminhos e que eles possam ser parte das suas histórias.
E que assim, de retalho em retalho, possamos nos tornar, um dia, um imenso bordado de ´nós’.”

(Desconheço o autor).

terça-feira, 12 de julho de 2016

Criança saudável é espontânea, barulhenta, inquieta, emotiva e colorida!

Leia mais: http://www.fasdapsicanalise.com.br/crianca-saudavel-e-espontanea-barulhenta-inquieta-emotiva-e-colorida/#ixzz4EE5NrWSY
Uma criança não nasce para ficar quieta, para não tocar nas coisas, ser paciente ou entreter-se.
Uma criança não nasce para ficar sentada a ver TV ou a jogar no tablet.
Uma criança não quer ficar quieta o tempo todo.
Crianças precisam se mover, navegar, procurar notícias, criar aventuras e descobrir o mundo ao seu redor.
Elas estão aprendendo, são esponjas, jogadores natos, caçadores de tesouros, potenciais terremotos.
Elas são livres, almas puras que buscam voar, não ficar de lado, presos “à algemas”. Não as façamos escravas da vida adulta, da pressa e falta de imaginação dos mais velhos.
Não as apressemos em nosso mundo de desencanto.
Temos que impulsionar o seu sentimento de supresa, garantindo-lhes uma vida emocional, social e cognitiva rica em conteúdo, perfume das flores, expressão sensorial, felicidade e conhecimento.
O que acontece no cérebro de uma criança quando brinca?
Os benefícios das brincadeiras para as crianças estão presentes em todos os níveis (fisiológicos-emocionais, comportamentais e cognitivos), isso não é um mistério.
Na verdade, podemos falar de múltiplas repercussões:
– Regula o humor e ansiedade.
– Promove atenção, aprendizagem e memória.
– Reduz o stress, favorecendo a calma neuronal, bem-estar e felicidade.
– Amplia a sua motivação física, graças à qual os músculos reagem impulsionando-as a brincar.
Tudo isso promove um excelente estado de imaginação e criatividade, ajudando-as a apreciar a fantasia do que as rodeia.
A sociedade tem alimentado o hiper paternalismo , que é a obsessão dos pais para que seus filhos tenham habilidades específicas para assegurar uma boa profissão no futuro.
Nos esquecemos que, como sociedade e como educadores, que o valor das crianças não é definido por uma nota na escola e que com os esforços para priorizar os resultados, negligenciamos as habilidades para a vida.
“O valor das nossas crianças é que desde pequenas precisam que as amemos de forma independente, elas não são definidas pelas suas realizações ou fracassos, mas por serem elas mesmas, únicas por natureza. Quando somos crianças, não somos responsáveis por aquilo que recebemos na infância, mas, quando adultos, somos inteiramente responsáveis por corrigi-lo.”

Simplificar a infância, educar bem
Dizemos sempre que cada pessoa é única, mas temos isso pouco interiorizado.
Isso reflete-se num simples fato: estabelecer um conjunto de regras para educar todos os nossos filhos.
Na verdade, esse é um equívoco generalizado que não é de todo coerente com o que acreditamos ser claro (que cada pessoa é única).
Portanto, não é de se estranhar que a confluência de nossas crenças e ações resultem em confusão na criança.
Por outro lado, como afirma Kim Payne, professor e conselheiro estadunidense, estamos criando nossas crianças com excesso de quatro pilares:
– Muita informação.
– Muitas coisas.
– Muitas opções.
– Muita velocidade.
Nós as impedimos de explorar, refletir ou aliviar as tensões que acompanham a vida quotidiana. Enchemos de tecnologia, brinquedos e atividades escolares e extracurriculares, distorcemos a infância e, o que é pior, as impedimos de brincar e se desenvolver.
Hoje em dia as crianças passam menos tempo ao ar livre do que as pessoas que estão na prisão.
Por quê?
Porque nós as mantemos “entretidas e ocupadas” em outras atividades que acreditamos mais necessárias, tentando fazer com que permaneçam imaculadas e sem manchas nas roupas.
Isto é intolerável e, acima de tudo, extremamente preocupante.
Consideremos algumas razões pelas quais devemos mudar isso …
– Higiene excessiva aumenta a probabilidade de que as crianças desenvolvam alergias, como mostra um estudo do Hospital de Gotemburgo, Suécia.
– Não lhes permitindo desfrutar do ar livre é uma tortura que limita seu desenvolvimento potencial criativo.
– Mantê-las “agarradas” ao celular, tablet, computador ou televisão é altamente prejudicial para nível fisiológico, emocional, cognitivo e comportamental.
Poderíamos continuar, mas neste momento a maioria de nós já encontrou inúmeras razões pelas quais está destruindo a magia da infância.
Como o educador Francesco Tonucci diz:
“A experiência das crianças deveria ser o alimento da escola: sua vida, suas surpresas e descobertas. O meu professor fazia-nos sempre esvaziar os bolsos na sala de aula, porque estavam cheios de testemunhas do mundo exterior: bichos, cordas, cartas… Bem, hoje devem fazer o oposto, pedir às crianças para mostrarem o que carregam em seus bolsos. Desta forma, a escola se abriria para a vida, recebendo as crianças com os seus conhecimentos e trabalhando em torno dele”.
Esta certamente é uma maneira muito mais saudável de trabalhar com elas, educá-las e assegurar o seu sucesso.
Se esquecermos isso em algum momento, devemos ter bem presente o seguinte: “Se as crianças não precisam de um banho urgente, não brincaram o suficiente.”
Esta é a premissa fundamental de uma boa educação.
(Autora: Raquel Aldana)
(Fonte: lamenteesmaravillosa.com )
* Tradução equipe Fãs da Psicanálise


Leia mais: http://www.fasdapsicanalise.com.br/crianca-saudavel-e-espontanea-barulhenta-inquieta-emotiva-e-colorida/#ixzz4EE5DlOQk

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Gratidão, paz, contentamento, humildade, equilíbrio.

“A gratidão é único tesouro dos humildes.” Willian Shakespeare
Quando li esta frase, pensei: Poxa Shakespeare, o único?! Então estou longe de ser humilde mesmo! Porque tenho vários tesouros, e a gratidão não é o meu forte!  E onde ficam minha família, saúde, casa, trabalho?! Pensei, pensei... custei, mas entendi! Minha gratidão pelas coisas que considero mais preciosas para mim é que são o verdadeiro tesouro e não as coisas em si. Elas, na verdade, não me pertencem e podem faltar um dia. Posso perder entes queridos, por diversos motivos, bem como qualquer coisa que me é valiosa. E quando perdas e mudanças repentinas acontecem, pois fazem parte do processo da vida, posso perder a paz e até surtar se meu sentimento for de posse e não de gratidão. Por exemplo, meus pais, não são minha propriedade, bem como meus esposo e filho; eles são minha riqueza, mas não um bem. O meu coração deve estar cheio de gratidão por eles. Este estado de graça que deve ser o meu tesouro, ele me trará de volta ao equilíbrio quando algum imprevisto acontecer. Mesmo que financeiro ou material. A humildade vem do reconhecimento de que este tesouro me foi concedido e pode ser tirado de mim a qualquer momento, expondo fragilidades e limitações. A pretensão ou a vaidade de achar que eles são meus permanentemente e eternamente são uma armadilha que conduzirão a dores profundas. Bem, acho que foi isto que Shakespeare quis dizer. Como foi libertador entender isto! Então vamos praticar? Pois, a gratidão atrai paz e produz equilíbrio. Pelo que você é grato hoje?



Pesquisa Google

Google